Publicado por: Marcos Silveira | 16/abril/2008

Idade da Pedra

Esse é o título de um excelente post do Blog do Jota Júnior, que está entre os sites recomendados aqui ao lado.

O depoimento do Jota, um dos maiores narradores esportivos do Brasil, é tão relevante que fiz questão de reproduzir aqui:

No fim de semana estive transmitindo jogos em Bauru e Itu pelo torneio do interior. Em Bauru, tomamos uma tremenda chuva durante o jogo, danificando equipamentos e os nossos papéis de trabalho, visto que o local não dá a mínima proteção de chuva, vento ou sol.

Outro dia um amigo da equipe fez a observação a alguém do Noroeste e recebeu de volta um sonoro “se virem”, também conhecido como “o problema é de vocês”.

Da nossa posição não dá pra visualizar todo o gramado. Há uma faixa abaixo de onde ficamos, onde nada se vê. As substituições e a movimentação do bandeirinha e dos bancos, são impossíves de acompanhar.

Enfim, falta de atenção de quem dirige o clube para com a mídia eletrônica, que por sinal PAGA os direitos de exibição.

Em Itu, não havia cadeiras, água, sanitários sem papel higiênico. Iluminação fraca, placa de substituição ainda de madeira com números apagados. Um abandono total.

Fizemos o registro no ar e fomos criticados por expor a situação. Em outras palavras, fomos condenados por dizer a verdade, somente a verdade. E falamos até em tom de contribuição, para ver se esse pessoal acorda, já que daqui a 6 anos sediaremos uma Copa.

Diretores do Ituano alegaram que o clube está terceirizado e que as críticas deveriam ser direcionadas para quem toma conta do futebol.

Desculpem, mas na súmula constava “ITUANO” como adversário do Barueri, além do estádio ser o Novelli Júnior. Se o Galo mudar de denominação, aí então o Ituano não será citado.

Com certeza se eu gritasse os gols do Ituano como sendo da “EMPRESA”, haveria reclamação do pessoal. Não haveria?

Em matéria de oferecer condições de trabalho nos estádios brasileiros e conforto ao torcedor, estamos na Idade da Pedra.

Felizmente a empresa onde trabalho emitiu ordem para não transmitir mais jogos em Bauru, enquanto não houver acomodação decente aos profissionais.

Espero que a mesma determinação valha para Itu e outros tantos estádios brasileiros. E há mais uma enorme lista nessas condições.

Se clubes importantes como Noroeste e Ituano oferecem essas condições para a imprensa, imagine como são tratados os torcedores…

O espaço está aberto para outros depoimentos sobre estádios. Boas experiências também são bem-vindas!


Responses

  1. Infelizmente essa é a nossa realidade fora dos grandes centros como São Paulo, Rio, Curitiba… Até mesmo nos centros encontramos tais problemas pré-históricos… Qtas vezes já fomos a estádios e tomamos chuva, encontramos banheiros sujos, deixamos nossos automóveis à mercê de flanelinhas,etc.
    É gritante a situação. Como o Jota diz: estamos a 6 anos de uma Copa do Mundo.
    Será uma corrida contra o tempo. E o pior de tudo. É que há solução.

    Tenho esperança que nos próximos anos os grandes centros terão uma reformulação e o mais importante: manutenção. E conseqüentemente as periferias irão se adequar.
    Mas tem que começar essa reformulação desde já!

    “Só” falta um pouco de vontade política por parte das entidades e dos clubes. Pois existem recursos e gente interessada em “tacar um cometa” na atual situação e fazer nascer uma nova administração eficiente para o nosso futebol.

    Olá Ricardo, obrigado pelo comentário!

    Mudar é necessário e possível. E manter a esperança é fundamental!

    Continue participando!

    Abs,
    Marcos Silveira

  2. pegando um gancho nesse assunto…

    Comprei um livro chamado Futebol S/A. É bom?

    Olá de novo…

    O Emerson já comentou e eu concordo plenamente: o livro é bom, mas está um pouco desatualizado. Vale como fonte de consulta.

    Abs,
    Marcos Silveira

  3. Duro ver a situação desses estádios e ainda por cima ver que ninguém se responsabiliza ou se preocupa com essa situação precária que os estádios do Noroeste e do ituano se encontram, sem contar que o estado do gramado da maioria dos times do Campeonato Paulista também é algo que dá vergonha (Parque Antártica e Morumbi foram criticados pelos jogadores dos times que mandam nesses estádio), até sugiro um post sobre o descaso com o gramado dos estádios, porque isso prejudica o futebol e as vezes até machuca jogadores, assim como Aloisio se machucou em um deles. Em um outro post aqui, foi falado sobre a arena do Barueri…bom seria se os times tivesem o pensamento que os diretores do Barueri tiveram…
    Abraços

    Olá Edu, obrigado pelo comentário e pela sugestão!

    Você tocou num ponto importante: o estado dos gramados. Estive no Palestra Italia na última sexta-feira e pude comprovar a situação lamentável do campo em que será decidido um finalista do Paulistão neste domingo.

    O Palmeiras lutou tanto para jogar lá e pode acabar se prejudicando, já que precisa vencer e atualmente tem um time mais técnico. Imagine o fiasco se for eliminado e o gramado tiver influência…

    Continue participando!

    Abs,
    Marcos Silveira

  4. Deixando de lado a questão do futebol em si, é um absurdo à forma como os dirigentes do Noroeste, e de outros clubes, lidam com a imprensa. É evidente a importância dessa para os clubes, não só pelos direitos televisivos que recebem, mas pelos desdobramentos e oportunidades que ela oferece a eles.
    No Brasil, a imprensa é o intermediador entre o clube e o seu ativo mais valioso, o torcedor. É por meio dela, que os torcedores se informam sobre o clube, já que a grande maioria deles não têm acesso ao clube diretamente. Assim, ele cria suas expectativas a partir de duas fontes: os resultados alcançado pelo clube e pela cobertura da imprensa.
    Além do mais, é a imprensa que oferece visibilidade aos clubes. Pense em uma empresa privada que pretende patrocinar algum clube, certamente analisará seus investimentos com base em indicadores, tais como quantidade de vezes que a marca é exposta por minuto em uma transmissão televisiva, expectativas de sucesso do clube na temporada, que geralmente é divulgado na imprensa. Assim, por exemplo, a imagem que a imprensa brasileira firmou do São Paulo, de clube modelo, gera confiança para investidores, interesse dos atletas em atuar pelo clube. Sem dúvidas, sem o papel da imprensa, essa imagem estaria muito menos consolidada.
    Em tese, a relação de transparência e boa governança com todos os atores envolvidos no cenário do futebol, entre eles a imprensa, acarreta em ganhos de todos os lados para os clubes, fortalecendo às suas marcas e seus prestígios em relação aos atores.

    Olá Fábio, obrigado pelo comentário!

    O depoimento do Jota é um triste retrato de como os clubes perdem a chance de conseguir visibilidade. Será que é tão difícil oferecer mínimas condições de trabalho para a imprensa?

    Infelizmente muitas equipes ainda não enxergam os meios de comunicação como parceiros.

    Continue participando!

    Abs,
    Marcos Silveira

  5. Bom livro, Ricardo, mas na minha opinião um pouco desatualizado em parte dele pelo dinamismo dessa área. Os números cresceram de forma até certo ponto estrondosa de 2005 para cá. Mesmo assim, continua na estante mais próxima aqui em casa.

    Sobre essa questão das acomodações: basta que as emissoras não transmitam jogos de estádios sem condições.
    Mas não só isso: o uso de sinalizadores e outras coisas que atrapalham ou até impedem a imagem deveria ser proibido de forma rigorosa. Em caso de descumprimento, caberia ao mandante uma penalidade de respeito, algo como a cota a que teria direito pela transmissão.

    O que aconteceu ontem no Serra Dourada foi ridículo, e aconteceu recentemente em outros estádios.

    Na Libertadores, a CONMEBOL deveria proibir e multar a cobertura do gramado por papel picado e quilômetros de papel higiênico. Não vejo graça, tampouco beleza nessa papagaiada.

    Entretanto, considerando que Jorge Wagner precisou da proteção de escudos policiais para bater – e mal, naturalmente – os escanteios a que o São Paulo teve direito em Medellin, e nenhuma punição foi aplicada ao mandante…

    Olá Emerson, obrigado pelo comentário!

    Muito bem lembrada essa questão dos sinalizadores. Além do Serra Dourada, o problema também atingiu a Vila Belmiro. O juiz teve de paralisar o jogo, o que poderia atrapalhar a virada e a classificação do Santos.

    Realmente falta uma regulamentação mais efetiva e, principalmente, punição rigorosa. Nesse aspecto a Conmebol é uma vergonha!

    Abs,
    Marcos Silveira


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: