Publicado por: Amir Somoggi | 7/fevereiro/2008

Audiência “mutante”

O confronto de ontem entre Barueri X Corinthians, segundo publicado hoje pelo jornalista Ricardo Feltrin em sua coluna Ooops!  na Folha Online, ficará marcado na história das transmissões de futebol no Brasil. Pela primeira vez um jogo transmitido pela Rede Globo obteve uma audiência média em toda a transmissão inferior a uma novela da Rede Record.

Segundo o jornalista, o placar foi de 22 a 20 para a novela Caminhos do Coração contra o jogo na Arena Barueri. No intervalo a audiência do folhetim, que retrata a história de mutantes, registrou 27 pontos de audiência, contra 15 pontos do jogo. 

Alguns motivos parecem óbvios, como o confronto ter sido transmitido na 4ª feira de Cinzas, com muitas pessoas retornando do feriado de carnaval, pelo time do Corinthians não ter engrenado nem empolgado no campeonato e também pela falta de apelo do Barueri, um time com pouca ou nenhuma torcida.  

Muito mais importante do que analisar que emissora obteve a maior audiência ontem, os dados indicam que o futebol brasileiro como conteúdo televisivo vem sofrendo com a ausência de estrelas em campo.

Em minha opinião a Globo, entre os envolvidos com futebol no Brasil, é a que mais tem sido prejudicada com o êxodo constante de nossos melhores jogadores para o exterior. 

Para vocês, quais seriam as razões para essa vitória, mesmo que momentânea da Record frente à Globo? 

No meu próximo post eu vou apresentar uma análise crítica sobre a atuação de todos os envolvidos com futebol/esporte no Brasil.


Responses

  1. Oi Amir, todas as razões citadas acimas explicam bem o motivo da vitória da Rede Record ontem.

    Mas acredito que para a análise ser mais precisa, temos que pegar os dados da BAND, que tbm transmitiu o jogo e compara-los com a Globo nas ultimas rodadas e ver se tbm nao aumentou em relacao a TV do Rio de Janeiro.

    Um motivo adicional pode ser que muitos torcedores tem migrado para a BAND, pela suas transmissoes, narraçoes(que a meu ver são melhores que a Globo) e comentários do Neto, que é idolo da torcida.

    Abraço!


    Olá Sérgio,

    Ainda não encontrei os dados da Band sobre o jogo de ontem, mas seguramente não deve ser esse o motivo principal.

    Como exemplo cito o jogo São Paulo X Corinthians (27/01) que gerou para a Globo média de 23 pontos enquanto que a Band obteve média de 7 pontos, acima de sua média habitual em suas transmissões.

    Um abraço.

    Amir

  2. O motivo principal certamente não é, mas deve contribuir.

    Abraços,

  3. Caro Amir,

    Acredito que o alerta serve exatamente para reflexão, pois é exatamente o que você comentou, existem vários pequenos fatores, mas o principal é, o produto ainda esta chamando atenção do público?
    Tirando o jogo de ontem, o corintiano liga a TV para assistir quem?
    A maior contratação este ano foi o técnico, e isso não aconteceu apenas no Corinthians.
    Abraço
    Francisco Ortega C J

  4. Amir e amigos, um dos fatores que ajudam a explicar a queda de audiência é a absoluta falta de investimento no produto futebol, e aí se inclui a Rede Globo, embora não seja a única a não investir.

    Em setembro do ano passado soubemos que a FPF possuía créditos para inserções comerciais na Rede Globo, decorrentes do contrato de venda de direitos de TV. Em encontro com dirigentes da Federação oferecemos gratuitamente um projeto para aproveitar esses créditos em inserções divulgando e valorizando o campeonato paulista (portanto o produto), além de uma campanha para promover a convivência pacífica entre os torcedores (nada de falar em “Paz nos estádios!!!).

    O resultado? Agradecimentos e a explicação que a Federação já tinha, em conjunto com seus patrocinadores, um projeto pronto. Tradução: uma campanha quase invisível com um rap falando em paz nos estádios.

    E quando a audiência é pequena e o campeonato paulista é tratado pelos torcedores como um torneio de segunda linha, todos ficam surpresos.

    Abraços.


    Olá Sérgio, Maurício e Chico,

    Realmente o mercado de conteúdo televisivo possui muitas variáveis que impactam na audiência de programas, principalmente em transmissões esportivas ao vivo, mas é óbvio e realmente importante utilizar a presença dos astros em campo para ampliar os ganhos de qualquer detentor de direitos de transmissão no futebol global.

    O produto oferecido nas transmissões de futebol tem baixo valor agregado no Brasil. Sempre exemplifico em palestras e cursos a realidade da Premier League, que é líder em receitas em todas as fontes geradoras de recursos no futebol em todo mundo. A lógica do negócio futebol é caracterizado pelo investimento em oportunidades de consumo, geração de conteúdo e diferentes pontos de contato com o consumidor do clube, em casa, no estádio, em um bar, no shopping, pela internet, pelo celular, etc.etc.etc…

    Um abraço

    Amir

  5. Esse “fenômeno mutante” pode ser um caso isolado, mas aparentemente não é se olharmos de uma forma mais ampla. Alguma razão há para que a Globo reclame tanto da fórmula de pontos corridos, sem final portanto, do Campeonato Brasileiro.
    A queda de audiência já pode estar sendo percebida de uns tempos pra cá e penso que o Maurício tem razão em seu comentário; o produto futebol está velho, viciado e sem apelo, não é atrativo consumi-lo do jeito que está, no tempo e formato que nos é imposto.

    Não vou numerar aqui as razões, já conhecemos e já discutimos em aulas, palestras, almoços, por telefone, em entrevistas, etc.

    Vemos pela frente, se essa queda realmente se configurar a seguinte situação : a TV vai oferecer menos pelo produto já que ele gera menos retorno, do outro lado do oceano acenam com possíveis restrições aos jogadores estrangeiros…..quais são as principais fontes de receita dos clubes brasileiros mesmo ??

    Hora dessa galera de coçar…não quero ser o arauto da tregédia, descobrindo o problema a tempo e se planejando para mitigar o risco sempre tem solução.

    Olá Robert,

    Você está certíssimo quando fala que nosso produto está se desgastando e também sobre a fórmula da competição. Em termos de audiência em TV aberta no Brasil depois de jogos da seleção, os confrontos dos clubes na Libertadores e em alguns casos na Copa do Brasil estão entre as maiores audiências do futebol brasileiro.

    Entretanto não concordo quanto a possível redução dos valores dos futuros contratos.

    O mercado de clubes nesse momento está na expectativa da negociação de seu novo contrato de TV, para muitos essa é a única solução para atrair novos recursos no futebol por aqui. Os casos recentes dos direitos de transmissão dos regionais mostram que embora com um produto cada vez mais sem o apelo de ídolos, os valores estão em ascensão.

    A questão principal será como maximizar mercadológicamente a ampliação dos valores a serem pagos pelos direitos, fora do PPV ( que cresce a cada ano) e transmissões, através de novas plataformas tecnológicas e oportunidades de consumo.

    Um abraço.

    Amir

  6. Se tem um culpado, este é o campeonato. Não sou corintiano, pelo contrário, paranista e resdente em Curitiba. Semanas atrás tivemos uma transmissão regional do Jogo Cascavel X Toledopelo paranaense. Você assistiria? Eu também não! Não tenho os números daquela quarta, mas acredito num retumbante fracasso da RPC, rede que transmite a Globo em todo o estado. E um puxão de orelhas da “matriz”.
    Deu no site do Birner:

    “De Vitor Birner

    Claro que se tivesse um time de alto nível, seria maior.

    Mas quantas vezes o Alvinegro esteve mal e os números da audiência bons?

    Preferido, e não por acaso, de quem transmite os jogos, o Corinthians, em sua história, teve poucas vezes grandes equipes, mas quase sempre foi o predileto de quem necessita audiência.

    A culpa é do paulistinha!!!!

    Caso esse Corinthians tivesse entrado em campo nos mesmos dia e hora, mas por outra competição, garanto que o interesse dos telespectadores seria maior.

    Poderia enfrentar o Coronel Bolognesi pela Libertadores, o Trem do Amapá na Copa do Brasil ou o Ipatinga pelo brasileirão.

    Tanto faz.

    A audiência seria bem maior.

    A queda do IBOPE ( fato tão raro que virou notícia) é bem mais culpa do ultrapassado paulistinha que do Corinthians limitado e em formação.”

    Concordo e ratifico. Se existe um produto ruim vendido, esse é o campeonato estadual.

    abs

    Bob

    Olá Robson,

    Os regionais estão em baixa com o torcedor dos grandes clubes e os pequenos estão agradecendo as partidas com os grandes para ter visibilidade na TV e uma melhora em suas receitas com bilheteria.

    Mesmo com o baixo valor da competição estadual, há muito espaço para melhora na audiência, em receitas de bilheteria e nos direitos de TV ( como esse ano), mas os regionais estão perdendo força a cada ano e caso haja no futuro alguma mudança de calendário no Brasil ( Será?) eles podem até desaparecer, pelo menos para os grandes clubes.

    Um abraço.

    Amir

  7. Amir, entendo e agradeço que você traga números para comprovar sua visão, porém minha visão é a de uma pessoa de negócios e que tem que pensar a longo prazo.
    Uma queda de audiência que se prolongue e não seja um fenômeno momentâneo certamente trará algum impacto no interesse de anunciantes e patrocinadores e, por consequência, da televisão.
    Talvez esses valores novos e maiores dos contratos de transmissão de TV ainda reflitam uma realidade anterior e atual em que a queda não tenha aparecido e se acentuado o suficiente para criar a ruptura, mas não há como não prestar atenção à insatisfação das emissoras de TV quanto ao resultado geral da audiência, que vem caindo lentamente, e que podem ser um sinal; reforço meu ponto para o amigo, minha análise é pro longo prazo.
    Quanto a outras formas de consumo e outras mídias eu fecho contigo, não há como negligenciar mais estas oportunidades (INTERNET, CELULAR agora 3G, mídia indoor, etc.), mas como se a televisão não só compra o direito de transmitir como também compra a IMAGEM capturada ?

    Olá Robert,

    Desde o princípio de minha atuação profissional com marketing e gestão de clubes, sempre dediquei parte de minha atividade em construir cenários futuros para o mercado esportivo brasileiro, já faço isso profissionalmente há 8 anos.

    O movimento de elevação dos direitos de TV que veremos no Brasil nos próximos anos, (Isso quem afirma é o especialista em gestão de clubes da Casual Auditores) é fruto desse novo movimento de concorrência pelo conteúdo esportivo por grupos de comunicação no Brasil. Algo novo, mas irreversível, principalmente no futebol. No mundo,todos os mercados que cresceram em receitas com mídia esportiva, contaram com a concorrência entre empresas, beneficiando as Confederações, Ligas e os clubes, cada vez melhor administrados.

    Segundo nosso estudo de 2003 a 2006 a receita gerada pelos clubes de futebol no Brasil com negociação de direitos de TV vem crescendo a uma taxa anual média de 10% ao ano. Com esse novo ambiente que se configura a perspectiva é que os direitos de diferentes conteúdos se valorizem.

    Clubes, patrocinadores e proprietários de direitos têm um gigantesco mercado inexplorado, que apresentarei no meu próximo post. Essa análise foi publicada pela Casual Auditores Independentes em setembro de 2007 e foi enviada para a imprensa e dirigentes dos principais clubes do Brasil. A análise foi realizada com os dados históricos de cada clube, sua localização e ambiente de negócios. A perspectiva é fundamentada na construção de cenários futuros para as entidades, sempre com uma perspectiva de longo prazo.

    Um abraço.

    Amir

  8. Salve Amir.

    Ainda considero esse um tropeço pontual da Globo, não uma tendência em transmissões de futebol. Se o campeonato é bom, futebol é um belo produto televisivo (aqui, na Ingleterra, ou literalmente na China). A queda de audiência dessa quarta entendo ser um fenômeno isolado mas que pode se repetir, muito mais pelo baixo apelo dos campeonatos estaudais (todos! rigorosamente todos!) do que pela qualidade de dramaturgia dos mutantes. Fosse prinicipalmente por mérito da novela da Record, a briga pela audiência estaria acirrada em todas as datas, de segunda a sábado (como foi nos tempos de Pantanal). Não é o que acontece. Parece-me uma situação muito pontual, como uma forte chuva de verão de alguns minutos. Pode até causar estragos, mais é de tiro curto e facilmente previsível.
    Diz o ditado clichê: andorinha só não faz verão. Fatos isolados não apontam tendências. O melhor a fazer realmente é esperar as próximas rodadas. O campeonato começa a afunilar e a valer alguma coisa. Vamos comparar o jogo de domingo com o Gugu, o de quarta com os x-men brazucas.
    A memória me falha agora onde, mas li em algum dos blogs mais representativos a seguinte idéia: os estaduais são um “imposto” que a diretoria da CBF paga para se manter no poder. Nem o Ricardo Teixeira deve achar os estaduais um bom negócio. As falecidas copas regionais eram muito mais interessantes. Eu, como paranista, prefiro jogar contra o Inter, o Grêmio, o Figueirense, entre outros representantes do sul numa hipotética Sul-Minas do que encarar Real Brasil, Toledo, Cascavel e J.Malucelli. Mas isso não interessa ao ricardão. Mantendo esses campeonatinhos estaduais mixurucas, ele garante ad infinitum seu curral eleitoral.
    Dito isso, podemos, isso sim, apostar. Nem que seja no bar discutindo futebol. E cravo que essa audiência às avessas não se repete semana que vêm. Nem que o Globo Esporte e o Esporte Espetacular invente uma polêmica pra próxima quarta. “Adriano Imperador” é um tema não esgotado. Farão pressão sobre Leão e Luxa, porque só fazem perder. Vão escalar o Galvão Bueno, fique certo. Mudam as datas tabela! Pode ter certeza que teremos um jogo melhorzinho na próxima quarta. Vão anabolizar o cadáver. E nos bastidores, torço, mesmo que seja poliana, para que a Globo Sport, financiadora do futebol brasileiro, dê uma prensa na CBF por melhores produtos. Que não aceite mais por em risco seu negócio. Mas o que se combina pelos corredores da CBF não se escreve… Ainda mais agora, com o Imperador Teixeira sendo mais importante que o presidente.

    abs

    Bob

    Olá Robson,

    Parabéns pela clareza do seu comentário, vale lembrar que os finalistas da fase mata-mata do Paulistão 2008 nesse momento são: Guaratinguetá, Ponte Preta, Noroeste e Ituano.

    Um abraço.

    Amir

  9. Ainda acredito que a noticia foi veiculada em um momento oportunista por parte da Globo e que não esclarece realmente o que aconteceu, coincidentemente bem no momento que o Corinthians negocia com a Globo uma valorização na transmissão de seus jogos na segunda divisão que ainda não foi definida.

    Uma noticia como esta pode fazer com o que o Corinthians desista de tal valorização. Um exemplo disto, é que em nenhum momento a noticia afirma que a Record venceu a Globo apenas uma vez no minuto a minuto(O IBOPE é medido desta forma) e momentos antes do intervalo, e não na média e tão pouco cita como foi a audiência da Band que também transmite os jogos, e que foi onde eu assisti.

    Encontrei uma versão para o ocorrido em um site não oficial do Corinthians, que vai de encontro ao que penso sobre uma possivel migração de espectadores da Globo para a Record. Claro que não tem garante da veracidade dos fatos, mas quero deixar para ilustrar o blog e para os amigos leitores do mesmo tirarem suas proprias conclusões.

    Grande abraço a todos,

    ——————————————————–

    Pior ibope da história da Globo? Saibam a verdade!
    por Bruno Andrade – TimãoWeb

    Foi divulgada hoje uma matéria na Internet na qual a mesma informa que o ibope obtido pela Rede Globo no jogo entre Grêmio Barueri e Corinthians foi um dos piores na história da emissora. Realmente a audiência não foi grande, porém, explicações para o fato é o que não faltam:

    1 – Nunca vi uma câmera (imagem do jogo) da Globo tão ruim. A câmera principal estava posicionada ao contrário, muito baixa e não corria (geralmente existe um trilho de uma ponta do gramado a outra em que a câmera automaticamente corre pra filmar). No jogo de ontem havia apenas uma câmera no meio do gramado, na qual ela girava no próprio eixo ao invés de correr, ou seja, péssima qualidade! Tudo isso devido à emissora se recusar a mostrar os patrocinadores do Barueri, expostos em outdoors.

    2 – Já na Rede Bandeirantes, apesar da imagem mais alta e escura, existiam muito mais câmeras espalhadas pelo gramado (sendo que algumas corriam ao invés de apenas girar). Dava pra ver o campo todo e o zoom era de qualidade.

    3 – Na BAND, o espectador tem a mordomia de ficar ligado no canal até 30 minutos antes da hora do jogo. Tudo isso porque a emissora não deixa pra colocar o jogo bem na hora da transmissão. Como se fosse um “Pré-Jogo”, a transmissão do jogo entra uns 20 minutos mais cedo, para dar informações sobre a partida, mostrar as torcidas, escalações e opiniões dos comentaristas. Enquanto isso, na Globo, a transmissão só começa quando faltam poucos segundos para o hino nacional, tudo isso devido ao Big Brother Brasil. Ou seja, já que o espectador está há 20 minutos vendo a BAND antes do apito inicial, é claro que a grande maioria fica na própria emissora para acompanhar o jogo.

    4 – As imagens da BAND chegavam mais rápidas via satélite do que as da Globo. Apesar do pouco tempo não mudar muita coisa, dá pra notar uma vaga diferença de sinal. O torcedor prefere ver o jogo o mais “ao vivo” possível.

    5 – A pessoa (jornalista) que divulgou essa diferença de ibope, apenas se baseou no conhecido “minuto a minuto” e não na transmissão completa. Segundo dados divulgados pelo Chico Lang, a estatística foi:

    “No pau a pau entre a Globo e a Record, o placar foi o seguinte: às 21h45, 25 a 17; às 22h, 23 a 20; às 22h15, 22 a 22; às 22h30, 19 a 23; às 22h45, 17 a 23; às 23h00, 18 a 21; às 23h15, 20 a 16; e às 23h30, 19 a 14. Onde está a “goleada” da emissora da Record? A Globo bateu a Record por 3 médias a 2, com uma dando empate.”

    “E tem mais: o jogo também foi transmitido pela Bandeirantes, que no mesmo horário deu 5, 6, 6, 6, 5, 4, 6, 6 e 7. Quer dizer, somando Globo e Bandeirantes, a Record ficou comendo poeira.”

    Olá Sérgio,

    Obrigado pelas informações, realmente teremos que aguardar novos dados e mais confrontos para fazermos uma análise mais conclusiva. De qualquer forma, os resultados de melhora da audiência da Record indicam um novo movimento da audiência no horário, principalmente na transmissão de 4ª feira a noite, tradicionalmente com maior audiência que as transmissões de domingo.

    Somente temos que tomar cuidado com esses novos dados, pois essa informação foi publicada em um site de torcedores que usaram como fonte um jornalista-torcedor (como ele mesmo se intitula). Acredito que todos os envolvidos com essa análise desejam mostrar que os jogos do Corinthians permanecem sendo um bom produto.

    Um abraço.

    Amir

  10. Amir, ponto esclarecido. Como professor, respeito o parecer que advém de pesquisa estruturada e fundamentada. Fecho questão contigo. Abraço.

  11. Faria sentido o que o Robert diz se o preço pago atualmente fosse o real. Acontece que ele é muito menor que do que os campeonatos valem. Então mesmo que os campeonatos se desvalorizem, os valores pagos ainda estarão abaixo do que poderiam ser. Os clubes aceitam porque precisam e não sabem se valorizar. Basta ver que desde quando a Record começou a disputar os direitos de transmissão, os valores explodiram. Pelo Campeonato Paulista a Globo teve que pagar 3 vezes mais do que pagaria, devido as contra-propostas da Record.

    Se a Record conseguir os direitos de transmissão do Brasileiro, uma meta deles, além de ser um divisor de águas na TV brasileira, veremos uma mudança no futebol como um todo. Um exemplo: eles prometem jogos em horários racionais, como as 20h.

    David,

    Realmente a entrada da Record pela disputa dos direitos deve fazer os valores subirem.

    Entretanto considerar que a Record será um divisor de águas no mercado brasileiro já acho um pouco de exagero, até porque a emissora somente tem a TV aberta para mostrar os jogos, o que resulta em um espaço limitado para 20 times da Série A.

    Ao meu ver o que resultaria em um divisor de águas seria se os direitos fossem fragmentados. Por exemplo, a Record ficar com a Tv aberta, a Globosat com a fechada, uma operadora de celular com essa mídia, um provedor com os direitos de Internet e outra emissora com os melhores momentos. ( o que sinceramente não creio que aconteça).

    Um abraço.

    Amir


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: