Publicado por: João Carlos Assumpção | 26/abril/2009

Paulistão desfocado

Sábado, véspera da primeira final do Paulistão, conversei com o técnico Vanderlei Luxemburgo, que parecia otimista com a possibilidade de o Palmeiras passar para a próxima fase da Libertadores.Mas tratamos do Paulista e discutimos o fato de os dois times que estão disputando a Libertadores, São Paulo e Palmeiras, terem sido eliminados nas semifinais no Estadual.

O principal motivo, sem deixar de dar os méritos a Corinthians, que tem jogado com uma garra sensacional, e Santos, que soube eliminar o Palmeiras em pleno Palestra Itália, é a dificuldade de manter o foco no Paulista, quando você tem uma competição muito mais importante, caso da Libertadores.

Corinthians e Santos, claro, também disputavam outro torneio, a Copa do Brasil. O Santos caiu fora antes da primeira partida da final, o Corinthians segue firme na competição. Só que a Copa do Brasil, cá entre nós, principalmente nas primeiras fases, é muito mais fácil do que a Libertadores, onde é importante fazer o maior número de pontos possível para entrar com vantagem nas fases seguintes.

E São Paulo e Palmeiras fracassaram aí. Não conseguiram focar nos dois torneios e se perderam no Paulista, sendo que, na Libertadores, o São Paulo ainda deixou escapar três pontos na Colômbia, escalando um time reserva, e o Palmeiras, sem foco, pode cair fora na primeira fase.

Além do foco, o que me chama a atenção é o regulamento do Paulista, que continuo achando muito ruim. Você disputa 19 jogos e pode ser eliminado num mata-mata. E a maioria destes 19 jogos não tem interesse nenhum. Há tempos sabíamos que Palmeiras, São Paulo e Corinthians estariam entre os quatro primeiros. O Santos que só se classificou no finalzinho, deixando a Lusa de fora.

É melhor do que aquela forma de pontos corridos, disputando 19 jogos sem o mata-mata, é verdade. Porque você não enfrenta o seu adversário em dois jogos, enfrenta alguns em casa, outros fora, sem lógica nenhuma.

Prefiro ainda a fórmula do Rio, que abusa do mata-mata. Já que o Brasileiro é em pontos corridos, o Paulistão poderia ser diferente, dividido em dois ou quatro grupos, por exemplo, diminuindo o número de jogos da primeira fase e tendo mais jogos no estilo mata-mata. Se não vamos ter que seguir com essa primeira fase horrorosa, com 19 jogos contra adversários de qualidade discutível, já sabendo quais devem ser os times que chegarão entre os quatro semifinalistas.

Não sei se concordam comigo, mas gostaria de saber. Gostam da atual fórmula do Paulista? Que mudanças fariam se pudessem alterá-lo já para o ano que vem? Não acham a primeira fase muito chata?

About these ads

Responses

  1. João,

    Sinceramente, eu excluiria os estaduais de alguns grandes estados (nível futebolístico) e voltaria com os regionais (Rio-SP; Minas-Sul). Por serem curtos. Deixando espaço para os clubes grandes disputarem Libertadores e Copa do Brasil. Enquanto os clubes menores, alguns inclusos nos regionais. O restante disputa um estadual com uma formula parecida a do carioca, prestigiando os finalistas ou semifinalistas para os regionais.

    Logicamente, com um calendário ajustado. BR (começando em agosto e terminando em maio e com jogos aos domingos) E intervalo em janeiro.

    Enquanto a Libertadores no primeiro semestre nos meios de semana. Junto a Copa do Brasil tbm nos meios de semana.

    E no segundo semestre, Sul-Americana e Regionais, variando de semana e semana para os clubes que estiverem nos dois disputarem tranquilamente.

    Assim, o foco seria mensurado. Tornando cada campeonato bem disputado.

    Abraços

  2. Comparativo das rendas e dos públicos pagantes de alguns dos jogos decisivos desse domingo:

    SANTOS X CORINTHIANS
    Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
    Renda: R$ 1.044.350,00
    Público pagante: 17.259

    CRUZEIRO X ATLÉTICO
    Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
    Renda: R$ 1.078.742,00
    Público pagante: 47.489

    BOTAFOGO X FLAMENGO
    Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
    Renda: R$ 1.462.853,00
    Público pagante: 58.711

    A final paulista lotou o acanhado estádio da Vila Belmiro, e teve preço médio de ingresso digno de final de Champions League: inacreditáveis R$ 60,51.

    As finais mineira e carioca encheram mas não lotaram, respectivamente, o Mineirão e o Maracanã. O preço médio do ingresso em Minas Gerais foi de R$ 22,72, enquanto que no Rio de Janeiro foi de R$ 24,92.

  3. Pra mim, é evidente que a desigualdade é a tônica nos principais estaduais do país. Os grandes clubes estão perdendo tempo e dinheiro ao disputa-los.

  4. Eu não ligo muito pra estadual. Pra mim perdeu a graça faz tempo. Mas os times de menor torcida do interior dependem muito das rendas dos jogos contra times de maior torcida da capital. Alguns times, e alguns até nas primeiras divisões de seus estados, só tem mesmo o estadual pra jogar durante o ano todo!

    Infelizmente nosso calendário é um horror! Não vejo sentido em termos a Sulamericana no segundo semestre e um time poder jogar Libertadores e Sulamericana e não poder jogar a Copa do Brasil. Pelo menos pra mim a Copa do Brasil ainda é muito mais importante que um estadual!

    Um Campeonato Paulista com menos datas ajudaria, mas ainda assim não resolveria todo o problema. Acho que se tivéssemos 4 grupos com cinco times. Cada time “grande” em um grupo. Classificam-se os quatro primeiros para semi-finais e finais. Mas nesse caso, os times do interior teriam jogos com apenas um time “grande” e isso geraria muita reclamação.

    É muito difícil agradar todo mundo…

  5. Em minha opinião o formsto do Paulistão não é dos piores, só acho que seria mais interessasnte fazer um quadrangular na fase final, e depois a grande final em um único jogo na casa do time que mais pontuou dentro deste quadrangular.

    Quanto à emoção deste campeonato, é verdade que já passou faz tempo. A única graça é quando os 4 grandes se classificam para as fases finais, como aconteceu neste ano.

    Já em outros estados, não tem mais graça as disputas, sempre ficam entre no máximo 2 times.

  6. Apesar de eu ter posto a Copa do Brasil no 1º semestre no meu “calendário ideal”.

    O meu sonho é vê-la durante o ano inteiro, com os clubes da Libertadores tbm.

    Porém, esbarra nas competições da Conmebol, que dão preferência aos clubes argentinos, chilenos, etc. Por terem nacionais com um turno em cada ano e não terem tantos campeonatos pra disputar como os brasileiros. Assim, creio eu, divide a Libertadores e Sul-Americana durante o ano, para que eles tenham a oportunidade de disputarem os dois durante uma temporada.

    Abs

  7. Ricardo, a sua proposta é muito complicada e esbarra numa série de obstáculos como você mesmo está apontando. Os regionais que você sugere não deram certo, eram tão chatos quanto os estaduais. O Paulistão deste ano teve graça só pelos gols do Ronaldo, o restante foi uma várzea. Abs.

  8. Não sei se vocês sabem mas essa fórmula do Paulista foi sugestão de jornalistas. Um grupo de jornalistas escolheu a melhor fórmula e deu no que deu. Pra gente ver como jornalista entende de futebol.
    Aqui cabe uma observação: sou jornalista, atuo na área de comunicação empresarial e não votei na fórmula em questão.

  9. Na opnião, o campeonato paulista se difere dos demais campeonatos estaduais do país. Discordo de que a primeira fase não tem graça. Muitos dos “pequenos” times que participam do paulistão com certeza enfrentariam de igual para igual com os “grandes” dos outros estaduais, assim como fizeram com Corinthians, Santos, Palmeiras e Santos. Os “grandes” de São Paulo suaram e muito para passarem pelos “pequenos”. Talvez mudar o sistema de disputa, com grupos, seria uma boa saída.
    Sinceramente não vejo como comparar o paulistão ao carioca por exemplo. Tirando os quatro “grandes”, não sobra nenhum outro time com expressão, ficando claro que as finais do carioca só tem como ser entre os “grandes”.
    O paulistão serve de vitrine para o Campeonato Brasileiro, atlétas que estão buscando vaga nos “grandes” que participarão do Brasileirão sonham em conseguir uma vaga para disputar o Paulistão e “aparecer” para conseguir uma vaga no brasileiro.

  10. Meu caro Ricardo Teixeira, vi que você não é o da CBF, mas que parece, parece. Sua sugestão não tem pé nem cabeça. Deixar os grandes fora dos estaduais para disputarem Libertadores e Copa do Brasil não faz sentido se você sugere a volta dos regionais. Quem vai disputar o Rio-São Paulo sem os grandes? O Bangu? O Guarani? O que você quer é fazer como na Europa, adaptar o calendário brasileiro ao europeu. É uma visão tão européia e primeiro-mundista quanta a do Leonardo, que foi muito bem criticado no texto anterior, texto muito bem escrito pelo articulista Amir. O brasileiro acha que tudo que vem de fora é melhor. Só porque o Leonardo é bem articulado ninguém o contesta. Esse é o Brasil, onde quem tem um olho com miopia vira rei.

  11. João Luiz, acho que você é o único que viu qualidade nos times do interior de São Paulo. Está um pior do que o outro. Você também acha o Inter um timão só porque meteu oito no Caxias? O Caxias é da terceira divisão. Dos times do “interior” de São Paulo só se salvam _e ainda assim mais ou menos_ Santo André, Barueri e Ponte. Mas do interior mesmo só é a Ponte, já que Barueri é na Grande SP e Santo André no ABC.

  12. Considerando o número limitado de datas para realizar o campeonato estadual, e ideal seria adotar uma fórmula similar às das copas do mundo.

    No caso do estadual de São Paulo, por exemplo, temos 20 clubes. Na edição de 2009, a se encerrar no próximo domingo, o campeão terá jogado um total 23 partidas.

    Adotando um modelo baseado na copa do mundo teríamos:

    OITAVAS DE FINAL
    § 4 grupos, cada um contendo 5 times;
    § jogos de ida e volta dentro do grupo;
    § cada time disputará, portanto, 8 partidas nessa fase;
    § os 2 primeiros classificados de cada grupo se classificam para a fase seguinte.

    QUARTAS DE FINAL
    § 2 grupos, cada um contendo 4 times;
    § jogos de ida e volta dentro do grupo;
    § cada time disputará, portanto, 6 partidas nessa fase;
    § os 2 primeiros classificados de cada grupo se classificam para a fase seguinte.

    SEMIFINAIS
    § 2 grupos, cada um contendo 2 times;
    § jogos de ida e volta dentro do grupo;
    § cada time disputará, portanto, 2 partidas nessa fase;
    § o melhor classificado de cada grupo se classifica para a fase seguinte.

    FINAL
    § 2 jogos de ida e volta.

    OBSERVAÇÕES
    * Como se vê, neste formato de torneio o campeão terá disputado um total de 20 partidas. Um modelo mais enxuto do que o atual, além de muito mais atraente, pela sucessão de poucas fases eliminatórias, progressivamente mais difíceis.

    ** Os 12 times eliminados na primeira fase não ficariam com o calendário ocioso. A eles caberia o “torneio da morte”, para a definição dos rebaixados. Motivação e emoção não iriam faltar.

    .-.-.-.

    A fórmula sugerida ocupa uma parcela reduzida do calendário, em consideração aos interesses econômicos que envolvem as competições em nível nacional e internacional; mas procura tornar atraente e revalorizar a competição estadual.

    Os campeonatos estaduais têm a sua razão de ser fundamentada na geografia e na história brasileira; ou, em outros termos, na tradição (pois o campeonato paulista tem 108 anos; o campeonato brasileiro tem 38 anos; a Libertadores tem 49 anos; e o mundial de clubes tem 9 anos) e na amplidão do território brasileiro (com dimensões continentais, o que faz de alguns campeonatos estaduais brasileiros equivalentes aos nacionais da maioria dos outros países).

    Faz-se importante um alerta aos que pregam “o fim dos pequenos clubes”:
    Não existe grandes clubes sem pequenos clubes. É como se fosse um meio-ambiente, em que cada elemento tem a sua importância no todo; ou uma cadeia alimentar, na qual o desaparecimento de uma espécie pode levar à extinção de todas as outras.

    Concluindo, os campeonatos estaduais são a base da paixão do povo brasileiro pelo futebol.

    Devem, por isso, ser valorizados; e não, depreciados.

    Os campeonatos estaduais são um patrimônio cultural brasileiro.

  13. Não sei se a fórmula proposta pelo José seria realmente a salvação dos estaduais, pelo menos do de São Paulo, que realmente ficou mas “chato” por não ter um equilibrio entre os times. Essa falta de equilibrio é fruto da má administração e da falta de profissionalismo da maioria dos clubes do interior de SP.

    Mas eu gostei da proposta do José e votaria dele se ela fosse candidata. Acho que seria uma fórmula bastante motivadora ao times e de fácil administração.

    Abraços,

  14. Caro Fernando,

    Eu não excluiria os grandes dos Regionais como vc entendeu. Ao contrário. Os colocaria neles.
    E os estaduais serviriam como fase classificatória pra esses regionais.
    Porém, agora pensando de outra maneira (mais maluca ainda).
    Faria dos Regionais como fase classificatória para um mata-mata na Copa do Brasil.

    Desta forma: os melhores de cada Regional (como se existissem os antigos formatos) 4 do Rio-SP, Sul-Minas, Nordeste; 2 da Centro-Oeste (excluindo MG), e da Copa Norte.

    E reitero:
    1º Semestre: 2º Turno do BR (domingos) / Libertadores e Copa do Brasil

    2º Semestre: 1º Turno BR (domingos) / Sul-Americana/ Regionais e Estaduais (Nas quartas-feira)
    ——————-

    Copa do Brasil: disputada por clubes que estão na Libertadores e melhores dos regionais.

    Regionais: Os grandes clubes dos estados + os melhores classificados dos estaduais.

    Sul-Americana: Disputada por aqueles que não disputaram a Libertadores

    ——-
    E não é a questão de pegar o modelo europeu. E sim de priorizar o preparo das equipes. Onde ocorrem as famosas janelas ( a principal no meio da temporada), desestabilizando o planejamento pra equipe. Outra, não dá pra pedir pra mudarem um calendário secular, ou dá? Enquanto aqui, já foi mudado tantas vezes que nem lembro.

    Abraços

  15. Cara, concordo com você. O campeonato paulista é desgastante e desinteressante ao ponto de demorar 19 rodadas pra chegar com no mínimo 2 grandes nas finais.

  16. Na linha de mudança no calendário (todos têm um palpite), acho que o ideal seria a redução do Estadual para 12 equipes. Turno único, semi-final e final. Reduziríamos para 15 datas, o que acho suficiente.

    A Copa BR, no entanto, contaria com somente 16 clubes, começando imediatamente depois dos Estaduais, no sistema mata-mata com 2 jogos definidos em sorteio (sem a tal eliminação ou direcionamento de chaves) a cada rodada. Seriam 8 datas, que somadas às 15 dos Estaduais, teríamos 23 datas e ninguém mais poderia dizer que “os Estaduais não valem nada”. Passariam a valer a corrida pela vaga para a Libertadores do ano seguinte.

    Um critério para a definição dos 16 poderia ser:
    – 8 Campeões Estaduais (usar critério do Ranking CBF para definir os 8 principais Estados)
    – mais 8 clubes classificados em mata-matas regionais.

    Exemplo:
    Campeão SP – 1 vaga
    Campeão RJ – 1 vaga
    Campeão RS – 1 vaga
    Campeão MG – 1 vaga
    Campeão PR – 1 vaga
    Campeão PE – 1 vaga
    Campeão BA – 1 vaga
    Campeão SC – 1 vaga
    Campeão GO x Campeão DF – 1 vaga
    Campeão MS x Campeão MT – 1 vaga
    Campeão CE x Campeão RN – 1 vaga
    Campeão PA x Campeão AM – 1 vaga
    Campeão PB x Campeão MA – 1 vaga
    Campeão PI x Campeão TO – 1 vaga
    Campeões de AL, SE e ES disputam 1 vaga
    Campeões de AP, RO, RR e AC disputam a última vaga.

    Por fim, a CBF e o Clube dos 13 deveriam negociar com os clubes da CONMEBOL para termos as fases semi-final e final aos domingos e não às quartas, assim poderiam tentar vender os direitos de transmissão para a Europa. Tenho certeza que iria despertar mais interesse, uma vez que quarta à noite é madrugada na Europa.

  17. De todas as propostas apresentadas, a mais interessante é, de longe, a do José.
    Um Paulistão com aquela fórmula seria enxuto e sensacional.
    Oxalá a FPF a adote em 2010.

  18. Concordo plenamente com a formula do josé…os 4 grupos da 1ª fase,um grande em cada…
    seria ideal essa formula…3 datas a menos…jogos em sua maioria com importancia…classicos mais para o final…e com maior importancia…
    e atendendo os interesses dos clubes pequenos(visto que jogariam em casa contra um grande pelo menos 1 vez,e haveria 16 times “pequenos”podendo abocanhar a cota de tv,que na série a-2 é ridicula).
    E concordo com o final de seus post…os clubes grandes não seriam o que são…sem os times do interior…e descordo da maioria em relação a administração dos clubes de interior de sp.
    Em sua maioria são clubes estruturados…com estadios cada vez mais modernos.
    É só ver o desempenho dos clubes paulistas nos torneios nacionais e comparar com os pequenos de outros estados.

  19. A fórmula da competição dos estaduais é discutível, mas enaltecer a Libertadores como campeonato de nível alto é confundir a tradição com a dificuldade. A Libertadores é importante principalmente para os brasileiros que valorizam demais por ter alguns grandes clubes que ainda não conquistaram ou que conquistaram a muito tempo.

    Virou tradição e questão de honra ter uma Libertadores na sala de troféus, isso para os brasileiros. Mas o nível da competição é muito fraco, com equipes tão (ou menos) preparadas do que o Paulista. Uma competição com o atual campeão LDU no chamado “grupo da morte” ao lado de Sport e Colo-colo não pode ter o status que dão à Libertadores. É preciso que se veja a fórmula da Libertadores e repensar o número de equipes que a disputam.

    Fico surpreso com críticas em relação a um estadual no qual classificaram os quatro grandes do estado, todos com times competitivos e capazes de serem campeões nacionais. O campeonato não é favorável aos grandes, vide os últimos anos, sempre com equipes do interior chegando entre os quatro.

    O Campeonato Paulista tem nível estadual, e para isso, não é preciso que seja um super campeonato. É um campeonato de altíssimo nível e, sem dúvidas, o estadual mais bem feito e competitivo do Brasil.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 30 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: