Publicado por: Robert Alvarez Fernández | 30/março/2009

Futebol e Tecnologia da Informação – Tudo a ver…

O grande motivador deste texto foi uma pergunta do leitor Rodrigo Gibin feita ao Amir, nosso companheiro de BLOG. O leitor se apresenta como um estudante da área de Tecnologia da Informação e nos trouxe seu ponto de vista expresso nesta frase : “Acredito que a TI estará presente nesse processo de profissionalização do futebol brasileiro.”

Também, assim como o Rodrigo, acredito que há imenso espaço para o uso da tecnologia da informação na modernização, profissionalização e melhor administração das organizações esportivas de forma geral, também sou um profissional de Tecnologia e gostaria, de forma resumida, de dividir algumas possibilidades com vocês.

Estabeleçamos três pilares fundamentais, mas não únicos, no ramo de atividade esportiva no qual a tecnologia da informação pode ajudar. São eles:

  • Administração
  • Processos
  • Comunicação

Por administração convencionemos a operacionalização da organização em si; o desenvolvimento de sua estrutura organizacional, das atribuições de cada departamento, o estabelecimento de seus processos de troca de informações e o fluxo destas para que se garanta a continuidade saudável da operação.

Partamos logo para um exemplo: imaginemos a venda de um ingresso, para quem tem que ir esta informação? Em um sistema integrado, primeiramente este ingresso tem que ser dado como vendido não estando mais disponível, aquele ingresso identificado como for, para os demais pontos de venda, assim como o número do assento.

A compra deste ingresso também gerou uma entrada de caixa, dinheiro, que será revertido para a organização neste exemplo, quem mais precisa saber disso? No mínimo, o departamento de contas a receber, que dará baixa desta pendência quando receber efetivamente o montante, este dado irá para o departamento de contabilidade que o lançará como dinheiro em caixa, podendo provisioná-lo conforme determinação do departamento financeiro para o caixa, para investimentos e assim por diante. Além disso é importante que o departamento de marketing também saiba que aquele ingresso foi vendido, quantos no total o foram e, em modelos mais avançados de marketing e mais orientados ao consumidor, quem o adquiriu para que se afira seu perfil de compra, seus hábitos e assim por diante.

A grande mensagem que daí surge é a necessidade fundamental de haver integração entre os departamentos, tal qual nas demais empresas. Não há como contas a receber ter uma planilha com as entradas de caixa, contabilidade ter outra planilha e finanças outra; certamente estes dados não vão bater; ou pior, já invadindo a questão processos, já pensou uma venda de camisa pela internet que não consulte o estoque? A chance de vender o que não há em estoque é grande.

Como resolver essa questão pelos conceitos mais fundamentais da TI? Sistemas integrados de administração empresarial em que os dados fluem em processos já estabelecidos e a atualização de um dado, no caso a venda de um ingresso, já reflete e atualiza os dados de todos os departamentos, em que uma venda dá baixa automaticamente no estoque que, por sua vez, conta os produtos e dispara pedidos de reposição quando o estoque ficar abaixo de um nível base estabelecido. Hoje, mais comumente conhecidos como ERP (Enterprise Resource Planning); há versões globais como SAP, Oracle ERP dentre outras e soluções brasileiras, que exigem menos adaptações como RM Sistemas, DATASUL e assim por diante.

Virando a página para a questão processos e ainda no exemplo do ingresso. É frequente que em estudos mais críticos sobre a administração esportiva se caia na discussão sobre a eficiência, e no conforto propiciado ao consumidor, dos mecanismos de venda de ingressos para eventos esportivos; sempre concluímos que o processo é falho, cheio de aberturas para fraudes e extremamente desconfortável para o consumidor.

Que tal usar um sistema de comunicação com interface gráfica, em que o consumidor escolhe seu assento, imprime o ingresso na hora e cuja numeração, quantidade e localização esteja localizada em uma base de dados central? É bem mais simples que parece, custa bem menos que se imagina. Além disso, este sistema pode ter conexão com sistemas de meio de pagamento diversos podendo o consumidor pagar seu ingresso por meio de cartões de débito, crédito e assim por diante. Com isso eliminam-se alguns vícios do sistema, como os cambistas e o ingresso físico, e muitos desconfortos como, por exemplo, o de ter que ir a locais onde ainda há ingressos, por exemplo.

Viramos mais uma vez a página e falemos de comunicação. Também é notória a pobreza da comunicação institucional por parte dos clubes de futebol. Robert Elstone, CEO do Everton FC da Inglaterra, me confidenciou que os clubes são negligentes em sua comunicação na maioia, que simplesmente a comunidade saber pela mídia que haverá um jogo é suficiente que as pessoas venham a ele e consumam este produto e que isso já não atende.

Vivemos em uma época de possibilidades amplas, podemos nos entreter de formas tão diversas que, mesmo essa comunicação espontânea fica pulverizada face a tantas opções.

É fundamental que se estabeleçam processos de comunicação fortes com seu consumidor e a forma mais democrática que temos, inclusive no Brasil já, é a Internet. Conforme já publicado em um post anterior pelo Marcos, com grande participação dos leitores, diversos clubes empreenderam bons esforços na construção de web sites institucionais e de relacionamento com seus consumidores/torcedores.

Nestes espaços deve sobrar informação sobre a história, as tradições e todos os valores perenes que compõe a marca destes clubes. Além disso, é claro, de ter canais de afiliação, de venda de produtos licenciados, de ingressos e assim por diante.

Quanto mais funcional, mais informativo e mais bem diagramado for o site, melhor o impacto, além é claro de um bom tempo de resposta e uma boa dose de segurança para que ninguém “piche” o site ou roube dados do consumidor cadastrado.

Tudo isso no aspecto infra-estrutura, é provido e administrado pelo profissional de tecnologia da informação bem como por empresas do ramo. O conteúdo fica a cargo do dono da marca divulgada. Webdesigner não é publicitário, portanto não é um gerador de conteúdo mas sim um formatador de conteúdo, lembremo-nos disso.

Claro que há diversas outras formas de aplicação, mas apenas quis, para não me alongar muito no tema, apresentar algumas contribuições que a TI pode trazer à administração do nosso esporte.

Alguns clubes já fizeram movimentos neste sentido, sobretudo nas questões processo e comunicação; na questão administração que proponho creio que ainda vemos um cenário pobre, mas que, com a profissionalização que buscamos, precisa mudar.

About these ads

Responses

  1. Caros Amigos,

    Como calouro no site, confesso que estou surpreso com a quantidade e qualidade do conteúdo aqui exposto.

    Rafael, obrigado pelos elogios e pela sua participação, somos oito cabeças pensantes e bem intencionadas por aqui, auxiliados pelos nossos leitores e convidados eventuais que aqui escrevem, agradeço novamente em nome de todos os colegas.

    Trabalho há aproximadamente nove anos no Clube Atlético Paranaense e aqui tive passagem, ao longo desses anos, por Marketing, Categorias Base, TI, Comunicação e aproximadamente um ano e meio do Futebol Profissional.
    Ao ler a postagem recente posso citar mais alguns projetos que a TI foi, e ainda é, fundamental no dia-a-dia da “organização ” futebol.
    Para a dimensão que hoje tomou a instituição “Clube de Futebol” (alguns casos, claro), com suas centenas de funcionários, colaboradores, fornecedores, contatos, etc, a TI iniciou sua trajetória, ainda como Informática/CPD, com a criação de e-mails (vejam que atitude simples, mas não há 10 -15 anos atrás) para funcionários antigos e da escola ainda jurássica da papel carbono e máquina de escrever, passando por servidores únicos de dados em sedes diferentes ( Administrativa/Centro de Treinamento distantes), inventário e renovação de hardware, escolha de softwares livres ou sob-licença, processo de escolha e implantação de ERP, customização do mesmo para a realidade vigente dos departamentos e atualmente a manutenção e aperfeiçoamento do sistema integrado do futebol, desenvolvido internamente (caso do CAP). Não podemos esquecer, claro, de serviços de Help-Desk, instalação e manutenção de redes Wireless em toda estrutura do clube, a ferramenta de venda de ingressos já citada, projetos de infra-estrutura… Boa parte das atividades, conta com ajuda de terceiros mas com a responsabilidade final e tutelada sempre pelo departamento de TI.

    Obrigado por relatar a experiência do Atlético-PR em sua modernização, que pude testemunhar em visita que fiz ao clube com grupo de alunos em final de 2007. Realmente você descreve um processo de adoção e estruturação de um depto. de TI e sua utilização para criação de vantagem competitiva, resolvi ser mais didático e superficial, mas seu depoimento é excelente.

    Todo esse investimento e a concepção de que sua usabilidade dará retorno, veio e terá que vir em qualquer instância, amparado pela alta gestão/presidência do Clube. O papel dessa visão estratégica pela diretoria bancará qualquer insatisfação ou maus olhos sobre a evolução dos meios de informação e segurança dos dados. Seja no futebol ou em qualquer outra área, temos os adeptos do carbono/carimbo que tentarão barrar essa mudança constante, afinal quem vai mexer no meu queijo…
    A grande vantagem da rapidez ao acesso das informações no dia-a-dia do clube economiza tempo, custos (ligações locais, celulares, papel…) e centraliza tudo que é necessário para conhecimento do clube em único sistema integrado e disponibilizado/atualizado em tempo real, desde que comprado por todos da organização como ferramenta de diferencial competitivo.

    Outro depoimento bastante interessante, a adoção de ferramentas novas e o grande processo de transformação organizacional que a TI ajuda a tornar viável passa por uma série de quebras de paradigmas e tiras as pessoas de sua zona de conforto; apenas um alto patrocínio organizacional pode quebrar essas barreiras, de acordo com você de novo; esse é meu dia-a-dia.

    Até o velho e conhecido envio de DVD’s com imagens dos candidatos a craques ou insistentes da bola perdeu seu lugar para os broadcasts públicos ou privados, sempre com a tutela da nossa conhecida e vital TI.

    Pois é, o mundo ficando plano mesmo.

    Rafael Andrade –Assessor Executivo – Clube Atlético Paranaense

    Abraços e volte sempre, agradeço seu depoimento e visão.

    Robert

  2. Acompanho o Futebol & Negócio há algum tempo, e o site tá ficando cada vez melhor, parabéns.
    Gostaria de comentar uma coisa que não sei se tem muito sentido pra vocês, o tema é: O baixo nivel de leitura de uma partida por parte dos comentaristas esportivos.
    Até agora não vi nenhum jornalista do PFC, ESPN, ESPN BRASIL, SPORTV, SPORTV 2, GLOBO, RECORD, BAND E REDETV analisar melhor uma partida do que comentaristas das “midias independentes”. Sempre eles fazem as mesmas leituras sem acrescentar nada, outros não conseguem nem entender o básico do jogo e pra piorar alguns outros tentam analisar o futebol europeu com base no brasileiro, confundindo por exemplo wingers com alas. E o mais complicado é porque o senso comum dos telespectadores acreditam nesses comentaristas, o que fazem seus comentários ganharem muita força, força suficiente pra tirar técnicos, crucificar jogadores etc
    Etá brasilzão burro… Como ninguem reclama essa situação se mantém, só
    quero saber até quando…

    Carlos, obrigado pela participação e comentário.
    O João Carlos Assumpção, jornalista de primeira linha e colega aqui do BLOG, abordou essa questão, ou bem próximo disso neste artigo publicado recentemente aqui.

    http://futebolnegocio.wordpress.com/2009/03/20/invente-um-programa/

    Abraços,

    Robert

  3. Olá Robert…!!!

    Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelos seus textos aqui expostos nesse espaço, é de muita qualidade, e nos dá um parâmetro de como se pode dar um incremento qualitativo, administrativamente falando, ao futebol brasileiro e por que não ao esporte em geral…!!!

    Sou um profissional da área de T.I. e presto serviços para uma empresa de T.I. focada em sistema integrado, comercial e corporativo. Encontro-me nesta área há algum tempo e conseqüente a isso, sou um amante não só do futebol, por ser o esporte principal praticado no país mais não menos de outros esportes, também.
    Seu texto veio, e muito, a calhar, por que venho desenvolvendo idéias para um projeto, agregando a integralização da área de T.I. com o Marketing e evidente, os demais deptos. dentro de uma estrutura, num clube, em uma federação…

    Agredido ser um campo a ser explorado em grande escala.

    Gostaria, ainda mais, da sua qualificada(s) opinião e pontos fundamentais para serem desenvolvidos para evolução do processo. Creio que o tema possa ser mais discutido nesse espaço e estarei (se me permiti), colocando algumas das minhas idéias tão logo…

    Um grande abraço!!!

    Caro colega Carlos, obrigado pela participação e pelos elogios.

    Primeiramente há um longo percurso para a adoção das melhores práticas da utilização da TI como suporte à obtenção de vantagens estratégicas competitivas. Vejo a maioria, uma exceção vem até do 1.o comentário deste post, das organizações esportivas passando longe disso, administradas com viés político e visando a contrução de monumentos aos reinados de seus dirigenteas apenas.

    Acredito que entidades já mais profissionais procuram adotar soluções de TI primeiro como ferramentas de colaboração, depois buscando sistemas integrados de administração (FI,CO e RH já seriam sufucientes em princípio) e um próximo passo seria usar TI como ferramenta de suporte ao relacionamento com o consumidor.

    Acredito que seja este o percurso, até defendo que clubes de unam e criem sinergias de infra-estrutura para adoção de tais ferramentas para baixar custos, vi uma iniciativa do
    BID recente em criar ambiente de TI para pequenas cooperativas de crédito no Perú como algo que poderia ser traduzido para o esporte, por que não?

    Abraços e continue compartilhando suas idéias.

    Robert

  4. Assim como o Rodrigo, também me graduo em algo relativamente próximo a TI (Engenharia de Telecomunicações).

    Como muito bem explicado aqui, todas as grandes empresas tem um denso setor de TI, e os usam, entre outros, a fim de aumentar suas receitas (as Casas Bahia recentemente abriram sua loja virtual, por exemplo).

    Na busca de um modelo de administração esportiva profissional, é óbvio que não pode descartar-se nenhuma ação que leve a aumento dos lucros.

    O site de um clube tem que ser uma referência para o torcedor na busca por informações, notícias, e até na compra de ingressos, por valorizar o espaço para patrocinios no site, e realizar a aproximação do fã ao clube.

    Abraços

    Gustavo, obrigado pelo comentário.

    Concordo com você, apenas acrescento que a adoção de sistemas de administração empresarial também ajudam a melhorar processos, unificar as informações além de possibilitar que a associação seja mais facilmente auditável também, por exemplo.

    Abraços,

    Robert

  5. Robert,

    Parabéns pelo texto! Com essas atitudes caminhamos rumo à conscientização da importância da TI no futebol, e quem sabe ainda vamos deixar de ser “o cara do computador” pra sermos profissionais respeitados e que ajudamos a fazer a diferença.

    Trabalho no Corinthians e posso dizer que, assim como no Furacão (o qual já tive a oportunidade de conhecer um pouco do seu sistema), também desenvolvemos internamente uma solução para o depto. de Futebol. Ainda nos falta muito, nosso sistema é mais focado na parte Futebol mesmo, ou seja, cadastro dos jogos, campeonatos, tabelas, performances, ficha completa de atletas… não temos a tão sonhada integração com o Financeiro do clube e nem ligação com o CRM da venda de ingressos, porém conseguimos em 2 cliques tirar uma folha de classificação do campeonato, tabelas, fichas contratuais, etc.
    Nosso próximo projeto é desenvolver uma intranet para que todos os funcionários do clube tenham acesso a informações úteis, gerais ou específicas, para evitar o desencontro de informações e promover maior integração.

    Grande abraço

    Thiago De Rose

    Thiago, obrigado pelo depoimento, pela participação e pelos elogios. Acredito que o que temos que ter em mente quando da adoção de soluções de TI é que devemos ajudar a posicionar a organização para o sucesso. Isso se dá simplificando, revendo e até eliminando processos para que a organização funcione melhor.

    No futebol, carente de credibilidade face ao mundo externo, acredito até que a prioridade seria a adoção de um sistema de administração empresarial integrado, sólido, rastreável e auditável, portanto. Este é o caminho para as melhores práticas de governança corporativa, sei que há obstáculos, como em toda empresa, mas é o que temos a perseguir.

    Abraços,

    Robert

  6. Robert,

    Primeiramente obrigado por abordar um tema tão pertinente quando queremos enxergar um futebol mais profissional e menos amador.

    Gostei muito dos comentários, fiquei muito feliz em saber que clubes brasileiros tem pessoas de TI dentro do seu quadro de funcionários, já é um começo…

    Como você mesmo disse, o caminho para que a TI faça parte do futebol, esta no inicio e ele é longo…

    Terminarei meu curso nesse ano e quero fazer um trabalho sobre o uso de ferramentas de TI no futebol, espero que desse primeiro trabalho eu consiga abrir mais portas para ajudar o futebol brasileiro a ser realmente um negócio ;)

    Grande Abraço a TODOS!

    Rodrigo Gibin

    Rodrigo, nós é que agradecemos a sugestão de pauta, extremamente pertinente.

    O leitor de nosso blog tem participação na construção de nosso conteúdo por meio de sugestões como a sua.

    Voltando ao tema, há um imenso espaço para a adoção de ferramentas suportadas pela TI para uma melhor administração do negócio esporte como um todo, como vimos há iniciativas sólidas em alguns clubes.

    Abraços,

    Robert

  7. “FAZER ESSE FILME ME FEZ TER CERTEZA DE QUE O CORINTHIANS É MAIS DO QUE O PRÓPRIO FUTEBOL, ELE TRANSCENDE O ESPORTE. O CLUBE É QUASE UMA ENTIDADE, É DIVINO.”
    (Andrea Pasquini, diretora cinematográfica)

    Comentário moderado

    Thiago, apesar de sua mensagem não trazer conteúdo ofensivo ou indevido e ser interessante, foge demais da pauta proposta. Quando falarmos sobre o filme e seus significados identitários e mercadológicos, voltamos ao assunto.

    Abraços,

    Robert

  8. Muito bom o comentario.

    Trabalho em uma empresa chamada CWI e temos como um dos nossos grandes clientes o Sport Club Internacional, não posso entrar em muitos detalhes de como funciona as coisas lá dentro por motivos contratuais, mas posso garantir que a implantacao de sistemas OLAP e CRM voltados para sócios, contribui muito para a vida $$$ do clube.

    Até sistemas de mineração mais complexos, como TextMinning são utilizados lah dentro.

    Posso garantir que lah no Inter, a maior parte dos pontos citados no tópico já são realidade a mais de 2 anos.

    Um grande abraço e continue com o excelente trabalho veito no site.

    Marcelo, obrigado pelo comentário e pela participação.

    Há tempos notamos que o Internacional vem andando a frente no tocante às suas ações frente ao mercado. O valor econômico gerado por torcedor é um dos maiores do Brasil em um modelo conceitual que venho exercitando e que comecei a discutir com um amigo aqui do BLOG.

    Continue o excelente trabalho por aí e sucesso.

    Abraços,

    Robert

  9. gostaria de saber se este texto é baseado em algum estudo científico, ou seja, de cunho acadêmico pois achei interessante o assunto e poderia usá-lo em um trabalho de TI, mas antes preciso ter certeza.

    Obrigado

    Kaue, obrigado pelo comentário. O texto é puramente empírico; é baseado na minha experiência profissional na área de TI que apliquei na administração do esporte, matéria que leciono na ESPM, além de outras.

    Abraços,

    Robert

  10. Olá, eu estudo na área de T.I. e estou iniciando meu TCC, e o tema dele é quase isso citado por vc no texto, vou falar da relação entre T.I. e Futebol, não no aspecto admnistrativo do clube, mas sim na parte do preparo dos jogadores, tanto físico, como tático.

    Gostaria de pedir sua ajuda caso tenha algum material sobre este assunto, obrigado desde já.

  11. O site foi muito útil a mim, pois estou fazendo uma pesquisa sobre a tecnologia da informação e o esporte, para um projeto, e gostaria muito se você pudesse relatar um pouco mais de como a tecnologia vem aperfeiçoando nossos esportes.
    Obrigada, agradeço desde ja.

  12. Muito bom o site! Sou estudante da área de TI.
    Eu também pretendo fazer algum projeto nessa área,e também queria saber se tem algum material da parte do preparo dos jogadores, tanto físico, como tático.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 30 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: